a respiração da cafeteira-Quote By António Lobo Antunes

a respiração da cafeteira cheia de dentes Vou comer-te
e a certeza que nos prendiam com mãos que sentíamos e não sentíamos, sentíamos sem sentir, queriam pegar na gente, estavam ali, quantas vezes não se escutavam queixas doridas, a minha mãe acendia o candeeiro, parecida com os monstros do corredor, os cabelos azuis, as órbitas salientes

O que queres tu agora?

e como exprimir o que se quer quando não se quer nada de preciso excepto que nos ponham nos lençóis entre eles

: António Lobo Antunes

This Post Has One Comment

Comments are closed.